sexta-feira, janeiro 16, 2009

Portugal Chronicles (…ou a Bola que embala o Mundo. )

Amigas, perdoem-me a minha actual disposição… talvez seja de estar em Portugal, ou provavelmente, seja Portugal que a cada dia que passa me parece mais esquisito… e digo esquisito para não dizer estúpido. Enfim, as minhas amigas leitoras ainda cá vivem…

Estava eu todo miserável nas urgências do hospital quando reparei que os 3 canais de televisão com carácter mais generalista dedicaram imenso tempo (demasiado a meu ver) a falar duma pessoa que… acreditem ou não, é um bom trabalhador. Nada mais… Faz um óptimo trabalho para o seu patrão.

Sim, estou a falar da noticia do momento, do Cristiano Ronaldo. Por favor, não me levem a mal, mas… ele não passa dum bom empregado. Nada mais. Ele faz aquilo para que lhe pagam. Mas, afinal o que é que ele faz? Dá chutos numa bola. Por favor, não me venham com as metáforas futebolisticas, é a mais pura realidade.

E tudo bem que devemos todos rejubilar com o facto dum Português ser distinguido internacionalmente, mas todos os dias existem investigadores, engenheiros, médicos, atletas amadores e vulgares cidadãos Portugueses que fazem o seu trabalho tão bem, ou melhor uma vez que contribuem para a evolução da humanidade e conhecimento tecnológico e… pasmem-se, ninguém fala deles.

O ano de 2008 foi de Jogos Olimpicos… e mais importante ainda de Jogos Paralimpicos. E por muito que admire alguns dos nossos atletas olimpicos pelo esforço que colocaram nas suas actividades desportivas, a realidade é que a maior parte deles apenas faz isso. Apenas pratica desporto.
E os nossos paralimpicos, para além de ultrapassarem as limitações impostas pela sua deficiência e de terem de lutar com dificuldades financeiras (infelizmente muitas vezes provenientes da sua deficiência) e de terem de treinar em condições por vezes pouco ideais, conseguiram fazer uma figura bem melhor que os seus homónimos olimpicos…. para ser realista, até em comparação com o nosso Cristianinho eles são uns Deuses. E no entanto, mereceram 15 minutos e 5 páginas de jornal da comunicação social Portuguesa. A mim, isto incomoda-me.

2007/2008 foi um ano de revolução no campo da electrónica que, por motivos académicos, me interessa tanto. Um grupo liderado e composto principalmente por Portugueses inventou ou desenvolveu um transistor feito de papel… Sei que para a maioria dos leitores (excepção feita ao To_) isto não vos diz nada, mas para mim é uma descoberta sensacional. E no entanto, esta descoberta mereceu 0 minutos e 0 páginas de jornal nos meios generalistas da comunicação social. Estamos a falar de pessoas que foram distinguidas internacionalmente… e no entanto, o tratamento não se comparou ao tratamento dado a um profissional que… dá chutos numa bola.

Podemos também falar duma das pessoas mais odiadas por mim que foi galardoado internacionalmente… e no entanto, ninguém passou uma semana a falar dele, e ainda bem já que a meu ver a atribuição do prémio foi injusta, mas justa ou não a atribuição foi real e ninguém falou dela nos moldes de que se falou deste nosso conterrâneo cujo dominio da Lingua Portuguesa está bem abaixo do nosso laureado Nobel. (E a meu ver o nosso amigo JS está bem baixo no que toca ao domínio da nossa lingua)

Se os feitos dos Portugueses não chegam e/ou não servem para comparação na visão de algumas pessoas, podemos dizer que está uma intervenção terrorista em curso em que pessoas morrem todos os dias e… ninguém passa 2 horas a falar disso. Pior, ninguém passa 2 horinhas que seja, a explicar os motivos e história duma guerra sob a qual toda a gente parece ter opinião mas que ninguém sabe nada sobre.

E isto a mim, confunde-me, entristece-me e em certa forma deixa-me enraivecido. Porque Portugal está a caminhar a passos largos para um abismo do qual não haverá saida. Estão a ver um qualquer país africano governado por um ditador? Estamos a falar dum quadro negro como esse (vá, não se riam, não estou a fazer piadas racistas).

E qual a solução? Não sei… não sou assim tão inteligente para o saber ou sequer imaginar nem tão pouco corajoso para tentar mudar seja o que for neste cantinho tão delicioso à beira mar plantado.

Beijo para as meninas.

4 comentários:

Luísa disse...

Infelizmente dão mais importância a esse menino do que ao realmente é importante.

Anónimo disse...

Mas o transistor de papel não é suficiente espanpanante para abrir o noticiário ou fazer a primeira capa dos jornais.

To_ disse...

Mas o transistor de papel não é suficiente espanpanante para abrir o noticiário ou fazer a primeira capa dos jornais.

Andreia disse...

http://www.youtube.com/watch?v=C5o6S57gQ-U