quarta-feira, dezembro 30, 2009

Egypt Chronicles (ou uma pequena chamada de atenção...)

Vá... por esta altura tenho toda a gente invejosa destas marafabulásticas férias nesse país semi tropical que é o Egipto... mas não pensem que tudo foram rosas! De maneira nenhuma.
Vamos, tomar como exemplo o resort (creio que de 5 estrelas) onde ficámos... Para começar, estava no Egipto... logo, tivemos de lidar com os egipcianos. E introduzo aqui aquela que acho ser a designação correcta para os vulgos egipcios, uma vez que o verdadeiro egipcio é na realidade um cigano e como tal temos de juntar esse facto à designação do país. Assim sendo, egipciano!.

Depois, convenhámos que nos tentaram comer à saída... e não foi da melhor maneira, já que nos iam fazer pagar algo que estava já incluido nas milhas. Depois, ainda me lembro vivamente da temperatura da água nas piscinas (e do unijacto) e da quantidade de russos e russas que não fizeram topless na praia.
Mas aquilo que definitivamente me irritou foi mesmo ter um gajo a rebarbar uma merda qualquer à beira da piscina por volta das 2 da madrugada. E lembro-me distintamente da Jill dizer que eu tinha dito que era água das casas de banho a correr e de pensar para mim que era outra coisa qualquer... tipo um choro.
Até que a curiosidade levou-nos a melhor e fomos ver o que era à varanda... yeap... lá estava o fdp a rebarbar durante a noite! Panel... enfim,

Resta ainda aquela situação em que por muito pouco não me saltou a tampa para partir a boca a um cozinheiro no hotel... estávamos nós a passear pela sala de jantar a ver o que comer e reparámos num gajo que estava a grelhar vaca ou algo do género com um molho apetitoso ao lado... a Jill, inocente nestas andanças árabes e ainda não completamente vacinada contra árabes, pegou na colher do molho para meter no prato e eis que o cozinheiro se passa da cabeça e quase lhe acerta uma chapada.
Estava já eu a fazer aquela minha cara de Bruce Willis prestes a rebentar com um edificio de não sei quantos andares quando o gajo pede desculpa e diz que para ela, pode ser ele a meter o molho no prato...
Eu sou um tipo pacifico... e como tal deixei o moço. Mas para a próxima... nem faço cara de mau e entorno ali o caldo!!! :)

segunda-feira, dezembro 28, 2009

Egypt Chronicles (ou os tratamentos de beleza egipcios...)

Para quem viu os filmes da Cleópatra, e vê aquelas bailarinas da dança do umbigo... aliás, ventre. Certamente que fica com a ideia que lá pelos egiptos existem centros de beleza fora de série onde se faz um cadito mais que umas masséges e uns scrubs.

Ora estando a passear ao lado do Nilo e sentindo já um desconforto na cara por causa da barba, vemos uma espécie de barco a boiar no Nilo que dizia "Beauty center", ou seja, centro de beleza.
A Jill ao ver o preço da manicure delirou (eram uns 3 euro) e acabamos por concordar que eu ia tirar o pêlo da cabeça e ela fazia a tão desejada manicure. Pois...

Ainda eu estava a aquecer o lugar no sofá da sala de espera, vejo-a entrar na sala do barbeiro com uma cara que nem sei explicar e um intenso cheiro a verniz da loja dos 300... ou seja, 12 libras egipcias.
Como ela parecia extasiada... lá fiz a minha cara de contente e tal e disse que estava quase a ir para a cadeira... quando ela desata a contar em que consistia a manicure.
"Chego lá... digo que só quero manicure e não quero pedicure e não é que vejo a gaja logo a abrir o frasco de verniz e a espetar-me com o verniz nas unhas?? É que nem as limpou... eu com as mãos todas porcas e com um verniz todo enfim... Só aqui!!!".

Eu ri-me... e comecei a temer porque... se elas não ligam muito à limpeza para as unhas... eu ia ter uma navalha ao pescoço!
Mas chegada a minha vez, sentei-me no assento e o gajo saca duma lâmina nova, águinha quentinha para fazer espuma e desata a espumar-me todo. Depois corta-me o pêlo com toda a delicadeza sem por vez alguma me cortar e ainda dá mais uma demão de espuma e lâmina para garantir que o trabalho ficava bem feito.
Para terminar ainda me cortou os pelos do nariz (coisa que nunca fiz) e sacudiu-me os pelos da camisola.

Conclusão, salões de beleza no Egipto só para homens. E mesmo assim não devem ser muito frequentados... LOL

Beijo para uma fã super especial... :)

sábado, dezembro 26, 2009

Egypt Chronicles (ou a falta de educação egipcia e o segundo momento de tensão das férias...)

Olá, olá.

Como prometido, cá está o post sobre a educação, ou falta da mesma, no Egipto.
Como viram, os comerciantes eram todos uns aldrabões, os taxistas igual (mesmo os que têm taximetro a correr) e as pessoas em geral nem se fala.
Começo por referir o facto que nenhum egipcio se dirige a mulheres. Ou seja, falar para uma mulher deve ser um crime qualquer que em toda e qualquer ocasião eles viravam-se sempre para mim e ignoravam liminarmente a Jill. :S

Depois falemos da tipica questão do Where are you from? que foi trocada por um olá. Ou seja, no Egipto ninguém cumprimenta um turista normalmente... apenas perguntam de onde somos e esperam que sejamos todos simpáticos.
Depois, os que prefiro são os que são muito simpáticos na rua... até que nos levam a uma loja do tio. E até dizem que a loja não é do tio (apesar de terem abraçado efusivamente o dono) mas sim do Governo e onde fazem o verdadeiro papiro. :| Haja pachorra.

Não nos esqueçamos também e principalmente, sobre fazer "ouvidos moucos" (orelhas surdas) ao que dizemos. Eu aprendi de propósito a dizer "La, Shukrán" (não, obrigado) para conseguir comunicar efectivamente com eles e tentar cortar o assédio ao minimo.
Não importa... mesmo dizendo que não queremos o que quer que eles estejam a oferecer, somos repetidamente bombardeados pela ladaínha dos cromos.
Ora no dia em que andávamos atrás das pashminas... houve um paspalho (com prai 1m60) que por 6 vezes e durante uma rua inteira me obrigou a dizer "La, shukrán" até ter desistido. E passada cerca de hora e meia, ainda de cabeça quente por causa do "insulto" a que me prestei ao tentar comprar uma pashmina, o paspalho tentou o mesmo truque comigo.

Eu disse uma vez "La, shukrán"... e da segunda vez, parei, virei-me para ele, fiz a minha cara de mafioso russo duro como granito que come pregos de aço ao pequeno almoço e numa pose nitidamente intimidante (eu tenho à vontade mais 20 cm que o gajo e chateado cresço uns adicionais 5cm) olhei-lhe nos olhos e berrei a plenos pulmões "LA, SHUKRÁN!!!!!".

Sim, eu perdi a calma! E quem me conhece, sabe que isso não é fácil de acontecer. Quem se divertiu imenso com isto foi a Jill. :| Não sei porquê. LOL

Ahh, e não nos esqueçamos que a falta de respeito Egipcia não é só para com os turistas... eles também roubam o negócio uns aos outros sem a mais pequena dor de alma. Simplesmente... faltam-me as palavras.

Posso também dizer que se segundo o Lui, os Brasileiros são gente de caga no cantinho... os Egipcios são os autênticos gente de caga na avenida. Isto porque enquanto passeavamos por Luxor deparámo-nos com uma cena... deplorável.
Vemos um gajo vestido com uma espécie de fato de macaco que acabava em saia, agarrado às grades que dão para o Nilo e a modos que a fazer força. Eu não liguei até que a Jill, de cara à banda me diz: "Viste aquilo???"
- Aquilo quê???
- Aquele gajo acaba de cagar na rua... mesmo no meio da rua à vista de toda a gente. :|
- Mas... mas... é meio dia... :S LOLOL inacreditável! :S

E esta, hein???

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Egypt Chronicles (ou um pedido do fundo do coração...)

Olá meninas.
Estão a gostar das crónicas? E que tal comentar?
Vá, hoje vou contar-vos mais uma história e pedir-vos um daqueles favores imensos que devem transmitir a toda a gente.
Ora, como bons turistas que somos decidimos ir ajudar a economia local comprando uns recuerdos. Ou seja, os miticos imans, postais, bandeira, com sorte um cachimbo de água e uns lenços. Os vulgos Pashmina.

Ora, aproveitámos para fazer isto tanto em Luxor como no Cairo e o resultado foi o mesmo. Um fracasso e frustração tremendos.
Avisados que os vendedores por lá são do mais aldrabão que algum dia conheceríamos, nunca confiámos no preço que nos davam. Ora um lenço que segundo o gajo custava 75 libras, após meia hora de conversa já vinha por 15 e eu continuo a acreditar que o real valor do mesmo eram 5.
Eu teria dado o dobro na boa, compreendo que a vida deles seja dura com tanta concorrência mas por favor... estamos a falar duma burla!!!
Quando o gajo chegava aos 15... já eu estava farto de falar com ele e virava costas uma vez que, ao fazer negócio com um burlão ia estar a perpectuar o fenómeno.
Mas os gajos tentavam de tudo mesmo para enganar. Desde fazer o tipico truque do deslumbramento em que mostram tudo e mais alguma coisa e forçam a pessoa a escolher uma peça, até tentarem tirar-nos a peça das mãos para "meter num saco", não sem antes trocarem por pechisbeque.

Houve um, e este deixou-me severamente irritado (como irão ver no próximo post) que disse que os lenços que são anunciados a 5 libras não eram iguais a este que ele por especial favor baixou o preço de 45 para 20 libras. E disse-nos!!! Assegurou-nos que o material desses lenços era sintético e que ele também tinha desses lenços à venda e que nos mostrava para compararmos...
Ele saca dum lenço, dentro dum saco plástico... e diz-nos para comparar o material... mas sem tirar o lenço do saco! Eu ri-me... senti-me profundamente insultado e saí da loja sem comprar nada, com os gajos aos berros e atrás de mim para negociar mais um cadito. Não lhe liguei puto e abandonámo-lo lá.

Por isso peço-vos viajantes deste Mundo, se forem ao Egipto. Não comprem nada a esses FDP. Vamos ensinar-lhes umas lições de boas maneiras! Acredito que quando não houver como meter comida na mesa eles sejam um pouquinho mais honestos! ;)

Beijos para quem conseguiu comprar uma pashmina por um preço justo. Tipo... 5 libras egipcias.

P.S.: Vai haver uma pausa para o Natal... :D Os posts voltam brevemente.

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Egypt Chronicles (ou o dia no museu egipcio...)

Eu como aficionado dos museus... principalmente daqueles bons, ao ir ao Egipto estava já em pulgas para ver o Museu Egipcio. É que, aquele é tão somente o melhor museu do Mundo no que toca à civilização Egipcia.
Seguido de perto, ao contrário do que a maior parte do Mundo julga, pelo museu Egipcio de Turim na Itália e não pelo British Museum (que hei-de ver em breve...).
Lá chegado, reparo com hordas de turistas a tentar entrar. Bom, isto já eu esperava...

Depois de passar pelo detector de metais (que apitou como louco e ninguém ligou) e passar o saco da máquina pelo raio-X, lá fui comprar o bilhete. Um pouco caro... quase 8 euro!!!

Tive também de deixar o meu maquinão numa cabana lá ao lado porque não deixam entrar máquinas fotográficas lá dentro (só depois percebi porquê).

Depois de tudo nos trinques... lá vou eu todo pimpão... e depois de passar por mais um detector de metais (que ninguém ligou) entrei no Museu!
Toda aquela expectativa de visitá-lo cedo se transformou numa desilusão já que o museu mais parece, e acreditem que estou a tentar ser o mais justo possivel, um armazém!
Eu lembro-me dos museus de Londres que, apesar de não estarem a abarrotar de objectos têm uma sequência lógica e mostram exactamente o que queremos saber. Aquele não.
Tem algumas peças com indicação do que são, outras sem indicação nenhuma e outras que têm tão somente um número. :|

Eu andava por lá perdido e só mesmo por acaso dei com as jóias do Tutankhamon que, incrivelmente, estavam bem guardadas e apresentadas decentemente para o turista ver.
Ahh, e não nos esqueçamos dos homens da manutenção. O museu é de tal forma grande que necessita de muita manutenção... ou seja, de alguém que limpe o pó que entra da rua (porque também não vi lá ares condicionados, mas muitas janelas abertas).
Então estamos ali a ver uma esfinge em mármore ou uma mesa sacrificial e anda um cromito com um fato de macaco e pano de limpeza a esfregar as pedras.
Digam-me lá o que pensariam vocês! :S

Ahhh, algo giro é que não se paga para ver sarcófagos... mas para ver as múmias paga-se e bem! :S Eu depois de ver uma tipa sair de lá desmaiada, achei melhor nem me chatear.
Não fosse a Jill desmaiar e magoar-se! :S

Ou pior... desmaiar eu e ninguém conseguir pegar em mim. :|

sábado, dezembro 19, 2009

Egypt Chronicles (ou a revolução do uni...)

Aposto que ficaram baralhadas com o título deste post.
Eu explico.
No Egipto assisti, juntamente com a minha companheira de aventura, a algo que é inovador e... enfim, para uma sociedade tão atrasada como aquela, uma realidade.
Estou a falar do fenómeno uni.

Isto é... no primeiro dia que lá cheguei, enquanto procurava onde comer, encontrei um sueco (que me contou uma anedota fenomenal sobre noruegueses) que estava na minha pousada e que me mostrou o sitio da moda lá na zona onde estávamos hospedados.
Ele gabou o sitio duma forma excepcional e eu, cheio de curiosidade, lá fui experimentar. Quando lá cheguei é que percebi o motivo da excitação.
Certamente que todas vocês já estiveram num restaurante, daqueles mesmo bons bons... e nem sabiam o que comer tal era a escolha.
Pois, isso felizmente não acontecia ali. E não acontecia porque apenas havia uma única escolha a fazer no que toca à comida. A escolha não era relativa ao que se ia comer, mas sim à quantidade.
Ou seja, podíamos comer uma quantidade pequena, média ou grande da mesma mistela. A mistela é que era sempre a mesma. Ou seja, uma mistura de massas, lentilhas, arroz, grão-de-bico, molho de tomate e umas cenas castanhas que julgo ser cebola frita. :S
Chamámos aquele sitio "Uniprato".

Chegados ao resort demos com aquela banheira de jactos que também só tinha um jacto... bom, esta era a banheira unijacto.

E finalmente, em Luxor demos um passeio pelo museu da mumificação, que era creio eu, o único museu do mundo unisala. Ou seja, só tinha uma sala! E não era grande! :S
Aqui neste museu, fiquei mais uma vez estupefacto com um dos artigos da exposição.

Então não é que eles tinham lá um pato mumificado???
Por favor, não se exaltem... Eu também acho a arte de mumificar algo de extraordinário. Mas para os Egipcios que viveram no tempo dos faraós!!! Não em 1942 quando o Mundo andava todo às turras com os alemães e japoneses!
Sim, em 1942 houve um cromo que estava em casa sem nada que fazer e em vez de fazer um belo arrozinho de pato, decidiu mumificá-lo! Acham isto normal???
Acham que ele estaria a praticar para depois poder trabalhar à vontade nos mortos da II grande guerra?

Ainda hoje não sei. :S

quinta-feira, dezembro 17, 2009

Egypt Chronicles (ou uma dissertação sobre o antigo povo egipcío...)


Aposto que ainda estão a pensar quão malvada será a minha vingança para fazer com que um pobre egipcío andasse atrás de mim a pedir perdão... pois, bem me parecia. Ficam a saber que o tempo resolve a maior parte das questões de vingança por nós pelo que eu, como preguiçoso que sou, não teria mexido uma palha (prolongando assim o tormento do homem ;) )

Mas no final da estadia em Sharm... e atenção, eu adorei Sharm, vá... adorei a praia do resort e o facto de não ter feito nada durante 3 dias com uma bela companhia. Tudo bem que a água da piscina era fria... e que a água quente da banheira de imersão era fria... e que os jactos na mesma banheira eram, como tanta coisa naquele país, uni ou seja, só havia um jacto. Tudo bem que havia mais sinais em russo que em inglês e que a comida era toda de buffet e cara para a qualidade que tinha. Mas a realidade é que foram dias divertidissimos e convenhámos que ficar num resort daqueles pelo preço de 2 jantares, uma água e uma coca-cola não é dispiciendo! LOL

Mas ao ir para o aeroporto de Sharm em direcção a Luxor deparámo-nos com algo que ainda hoje me atormenta o espirito.
Eu já vi as pirâmides... já vi os templos de Luxor e Karnak, já vi os túmulos no Vale dos Reis, o museu Egipcío (vai haver um post sobre isto...) e as jóias do Tutankhamon e fiquei, apesar de estar severamente enojado na altura, fascinado com a grandiosidade de tudo aquilo e quão avançada seria a civilização da altura que conseguiu à custa de mãos humanas contruir semelhantes monumentos.
E eis que chegados ao aeroporto de Sharm, deparámo-nos com uma civilização que não consegue sequer fazer um check-in. Check-in é nada mais, nada menos que o acto de verificar os bilhetes das pessoas e metê-los num avião! Nada mais...
O simples acto de colocar um bloco de pedra dos que constituem as pirâmides (pode até ser um da base) envolve mais esforço, tempo, dificuldade, planeamento, tecnologia e inteligência que meter meia dúzia de caramelos num avião.
E mesmo assim, milénios depois da construção das pirâmides, a civilização que as construiu não encontra gente para fazer um chek-in normalmente.

Isto sim é triste!!!

terça-feira, dezembro 15, 2009

Egypt Chronicles (ou o tique mais FDP que já "vi" na minha vida...)

Como vos tinha dito no último post, fomos para a praia... e reparo agora que não apresentei a minha companhia... Como eu não sou de fazer publicidade nem tão pouco lhe perguntei se podia divulgar o nome (e cara) dela, vamos tratá-la por Jill. Eu gosto do nome Jill, é curtinho e muito internacional já que existem imensos países que usam esse nome. :)

Ora passámos um dia excelente a apanhar solzinho na praia, a ouvir o paspalho da massége e eis que ao sairmos (quando a praia estava deserta e o dia... já quase não era dia) um cromito vem ter conosco e pergunta onde estamos.
Eu digo que estamos hospedados no Radisson e o gajo passa-se!! Tipo... passado dos cornos mesmo! Que nós tínhamos passado o dia todo na praia do hotel dele e que não era o Radisson e que tinhamos de pagar para estar naquela praia, etc, etc.

Eu, como gajo viajado e relativamente habituado a lidar com idiotas (convenhámos que a praia não chegou a ter 50% de ocupação o dia todo), lá pedi desculpa pelo sucedido e dissemos que a praia não estava claramente marcada e como tal cometemos este erro que não se voltaria a repetir nos dias seguintes.
O gajo pareceu gostar disto... explicou, ainda que um pouco exaltado, que no dia seguinte iamos pagar 100 euro se lá fôssemos no dia seguinte. Para vos ser sincero... eu até teria ido no dia seguinte com os 100 euro trocadinhos no bolso e garanto-vos que no final do dia o homenzinho ia estar prestes a cometer suícidio tal tinha sido o efeito da minha presença na praia dele (tudo devido às minhas exigências e criticas).
Mas eu estava acompanhado e não quis enervar ainda mais a Jill que, felizarda, não lida com anormais e paspalhos quase diariamente como eu e estava já a ficar enervadita.

Nisto quando já caminhávamos calmamente para o nosso lado... o gajo passa-se ainda mais e solta uma frase duma forma simplesmente grosseira. Perguntam vocês que frase foi...
Cá está.

Where are you from??? (de onde são?)

Eu, pela maneira como a frase foi dita... mudei de atitude! E disse que ele não precisava de saber nada disso e continuei o meu caminho.
O gajo levou aquilo a mal e foi a correr para a nossa beira a tentar sacar a resposta a custo e eis que surge o primeiro momento de tensão das férias...
Ele continua a perguntar a mesma pergunta e a Jill passa-se e atira-lhe a mesma pergunta. :S

Isto foi inacreditável... eu estava ao lado e não sabia se havia de rir ou de aproveitar o espanto na cara do gajo para lhe espetar um gancho de direita que lhe partiria o queixo. A cara dele estava vermelha sem perceber porque lhe tinham perguntado a origem dele... e ele ao atirar a mesma pergunta à Jill, ela atira a resposta anterior e aqulo mais parecia um jogo de ténis em que a bola era a frase "Where are you from?".

Eu por esta altura, tentava disfarçar o riso... LOL Abandonámos a praia enquanto o homenzinho foi tentar pedir o dinheiro aos trabalhadores do Radisson que devem ter metido algum senso na cabeça do paspalho e avisado que muita da máfia russa passa ali as férias e que se ele não quisesse acordar com os tintins num frasquinho ao lado da cama devia era calar-se...
Imagino se ele soubesse quem eu era... :| Bom, ainda bem que não sabia senão ainda o tinha atrás de mim a pedir-me perdão. :S

Fica um beijito para a Jill que aprendeu ali uma bela lição. Nunca dar importância a idiotas. Muitas vezes é isso que eles querem.

sábado, dezembro 12, 2009

Egypt Chronicles (ou o mercado de trabalho Egipcio...)

Olá, olá fãs dedicadas...

Tenho a dizer-vos que... esta visita ao Egipto me marcou. Tudo bem que vocês já saibam isto, mas... a verdade é que me marcou em todos os niveis. Mesmo ao nivel profissional. Vá, assim não é justo... eu explico.
Estávamos nós a passear pelo vale dos Reis... que, a não ser que tenha o túmulo do Tutankhamon aberto é uma séria desilusão. Por favor, não me levem a mal. Mas, ir para o meio do deserto ver uns túneis cobertos de hieróglifos não é o meu sonho molhado e dispensava bem isso. Mas pronto... turista que se chame de turista tem de o fazer e lá fomos com o nosso guia Ahmed (ou algo parecido... um famoso egiptólogo do qual falarei mais à frente) ver o vale dos reis.

E nisto a minha fiel companheira de viagem, e gozo, decidiu ir ao WC e foi quando reparámos num... emprego, ou carreira mesmo, muito egipcia. Eu não sei qual é a designação oficial daquele trabalho, mas demo-nos ao trabalho de pensar num nome e o que surgiu foi "distribuidor de papel higiénico". Porque a realidade é mesmo essa... ele nada mais fazia que estar ali sentadinho com a sua espingarda ao colo a distribuir papel higiénico aos necessitados. :|

E eu fiquei a pensar... como é que se alicia uma pessoa para fazer este trabalho? Ahhh e tal... é um trabalho simples e muito compensador... com muito contacto humano e que não exige esforço fisico (ou mental...). Será que é um daqueles empregos com remuneracão por objectivos? Tipo... "se nos poupares 3 rolos de papel higiénico por semana, levas os rolos para casa."?
E ainda mais importante, será que alguém tem, lá no fundo o secreto desejo de estar a distribuir papel higiénico?

Outra dúvida que o meu cérebro fez o favor de se lembrar foi, mas porque carga de água eles distribuem papel? Será assim tão caro? Não deve ser, já que eles desinfectavam os tampos das sanitas com combustivel (gasolina, creio. Podem perguntar à Jill).
Ou será uma medida ambiental tipo aquela cena há uns anos da Sheryl Crow incentivar as pessoas a limpar o traseiro com uma folha de papel higiénico? Aproveito para deixar aqui uma mensagem à Sheryl e dizer-lhe que para isso, mais valia lavar com águinha tépida e secar com um secador de cabelo... Mas só se as centrais eléctricas forem de energias renováveis.

É que duvido que o fantástico povo do Egipto fosse capaz de roubar papel higiénico das casas de banho... já os tugas... é outra história.

E assim vos deixei com mais uma faceta desse país tão... é melhor ficar caladinho. :|

Beijo para as fãs...

P.S.: Houve alterações na tabela de fãs, eu estou ainda a ver se ponho aquilo tudo em ordem.

quarta-feira, dezembro 09, 2009

Egypt Chronicles (ou o fim de semana em Sharm el-Sheikh...)

Como vocêsas sabem... eu viajo muito. E então lá vou juntando milhas... para quem não sabe, milhas são tipo os pontos do Cartão BP ou da GALP. Mas que em vez de trocar por batedeiras e termómetros sem mercúrio, dá para trocar por coisas mais interessantes. Artigos de luxo, viagens de avião, aluguer de carros e estadias em hotéis. :)
Ora sabendo disso, e tendo em conta que desta vez ia acompanhado, decidi gastar umas poucas de milhas num fim de semana no Radisson de Sharm el-Sheikh...

Lá chegados, fomos extremamente bem recebidos com um suminho (não alcoólico) e uma toalhinha molhada fria. Eu estranhei... afinal de contas, estava vento lá fora.
Depois fomos escoltados num carrinho de golfe até ao quarto que não sendo o melhor onde já estive era bastante aceitável e com uma vista deliciosa para a piscina.

Depois, claro está que fomos a correr para a praia ver o Mar Vermelho.

Podia ficar aqui a contar como tudo é lindo e perfeito, etc, etc... mas vocês gostam mesmo é de peripécias e este, mesmo sendo um resort fechado, também teve das suas. :)
As primeiras que merecem ser contadas ocorreram logo na sexta feira.
Descemos até à areia e ao ver que a praia estava completamente cheia fomos deslizando para a direita até encontrarmos um sitio para nos deitarmos e demos com outra praia vazia.
Lá nos deitamos e ficamos a secar ao solzinho quando nos apareceu o primeiro cromo do dia. Este era um daqueles angariadores para os SPAs do hotel e minhas amigas... o tipo fartava-se de falar dum tal dum tratamento chamado "massége".
Mais tarde percebi que o tratamento era na realidade uma massagem, mas que me diverti imenso a pensar o que seria a massége... isso diverti! :) O gajo tinha masséges e tratamentos para todos os gostos. E depois dava para fazermos um mix por nós próprios...

A dada altura o gajo tinha já um mix do género: massagem desportiva, scrub de café(scrub é basicamente rasparem-nos o lixo do corpo), scrub de côco, máscara facial, reflexologia, aromaterapia e creio que mais um... tudo isto numa hora e meia.
Ele não conseguiu explicar-me a que é que cheiraria no final do tratamento, mas pelas misturas que ele falou não deveria cheirar muito bem. :S
Também não percebi como se faz tanta coisa numa hora e meia, mas acho que a cabeça dele ainda estava a tentar, qual perfumista, juntar os cheiros dos tratamentos.

E foi assim o nosso primeiro encontro de terceiro grau com a realidade egipcía. :S

Não percam o próximo episódio que é hilariante!!! :D

domingo, dezembro 06, 2009

Egypt Chronicles (ou o inicio das crónicas desse país fantástico...)

Pois é, eu fui ao Egipto e como em todas as viagens, também esta começou com um passo. O passo, claro está, foi mesmo ir para o aeroporto e apanhar o voo, Porto - Madrid - Cairo. E começou aqui o suplicio...
A viagem até Madrid não é de todo desagradável, mas chegados a Madrid enfiam-me num avião que para o descrever a única imagem que me vem à cabeça é mesmo aquela das pessoas a dormir naqueles beliches de madeira nos campos de concentração... Sim, exactamente. É que naqueles assentos, mexer só mesmo os olhinhos e para alguns as orelhas.
Aproveito para dizer que o voo era da Iberia... Fiquem avisados.

Lá chegado, tinha um gajo à minha espera para me levar à pousada e aqueles 45 minutos do aeroporto à baixa cairense deviam ter sido aviso suficiente... Porque tudo estava sujo, a cair de podre, as pessoas conduziam como loucas... aliás, pior que loucas. Tenho a certeza que muita gente foge dos seus países para não serem internadas em manicómios e para onde é que vão? Onde? Exacto... Cairo! :)

Ahh, de notar também que lá, no Egipto, ninguém liga as lâmpadas para conduzir. Isso mesmo... anda tudo às escuras em ruas que pouca ou nenhuma iluminação têm. Eu tenho teorias sobre isto. A primeira é que se toda a gente ligasse as lâmpadas dos carros à noite, isso apareceria nas fotografias de satélite e depois ao comparar, por exemplo, Paris ao Cairo... o Cairo passaria a chamar-se cidade-luz. Coisa que... só olhando para as fotos de satélite é que seria possivel tal é a sujidade que paira pelo Cairo. Não acreditam??? As minhas camisolas brancas eram beges quando cheguei a casa. :|
A outra teoria é que como os principais instrumentos de condução no Cairo são a buzina e os "máximos", eles preferem andar às escuras para não irem gastando as lâmpadas nem queimando as ópticas e para quando decidirem flashar alguém com os máximos o efeito ser o mais encandeador possivel. Afinal de contas, o Cairo tem poucos acidentes e os bate-chapas também precisam de ganhar a vida... que a julgar pelo estado dos carros no Cairo, é uma vida pobre já que ninguém repara as amolgadelas. :S

Para terminar... deixo-vos uma noticia tuga. Adoro ser surpreendido. E quando pensava que o pior aeroporto do Mundo era o famigerado e odiado Charles de Gaulle em Paris, deparo-me com o aeroporto de Lisboa. Este sim é sem dúvida alguma o pior aeroporto da Europa. E eu já vi uns poucos para poder fazer esta afirmação. Até o aeroporto do Cairo é melhor que aquela, perdoem-me a expressão, merda!
Percebo agora a angústia do Governo perante o impasse na construção do novo aeroporto e deixo desde já a minha dica.
Ponham os voos todos que param em Lisboa no Porto e Faro... e depois... bom... arrasem com aquilo duma ponta à outra e façam um aeroporto a sério!!!
Se tiverem de despejar meia dúzia de lisboetas de suas casas para terem mais espaço, façam-no sem problemas. Sigam o exemplo da China que "despejou" uma cidade inteira para construir o novo aeroporto de Beijing (que é muito melhor que o de Lisboa) ou então o exemplo do Egipto que vai arrasar Luxor para procurar mais túmulos de faraós que estejam escondidos por lá. :S LOL

Agora... vamos mas é dormir um cadito.

quinta-feira, dezembro 03, 2009

Mocambique Chronicles (nem tenho palavras para meter aqui...)

Meninas... não desesperem.

Eu estou ocupadito com o trabalho (a trabalhar umas 16 horas por dia para sacar um belo dum subsidio de Natal) e tenho a dizer-vos que Mocambique me surpreendeu... Pela beleza natural aqui em Pemba... e pelo atraso de vida que é.

Ok, agora fui injusto! Isto é um atraso de vida para quem está aqui a trabalhar. Passar férias por cá deve ser muito bom!! ;)

Quando tiver tempo, meto as histórias do Egipto. :)

Beijo para uma fã em particular... ela sabe quem é. ;)

domingo, novembro 29, 2009

Egypt Chronicles (ou o comeco dum livro hilariante... agora que me vou embora...)

Ola meninas.
Desculpem antes de mais duas coisas... primeiro este teclado arabio (LOOLL) e a minha ausencia prolongada pelo mundo bloguistico para vos dar noticias desta aventura que foi o Egipto.

Quero que saibam que tenho ja guardados varios episodios prontos a serem dissecados por mim e revistos por uma fa especialissima que partilhou comigo os ditos episodios, mas por motivos profissionais, terei um dia em Portugal (amanha) e tenho de:

- Levar vacinas contra umas bichezas africanas
- Comprar comprimidos para a Malaria
- Fazer um CD/DVD com as fotos do Egipto
- Imprimir itinerarios e carta de convite para MZ
- Ir ao correio enviar umas cenas...
- Ver a minha prima

e last but not least, arranjar a merda dum medidor de distancias com um laser para levar comigo.

Por isso peco-vos um pouco mais de paciencia antes de me crucificarem por nao vos contar logo, logo as minhas aventuras arabias.

Va, vamos la dormir!

segunda-feira, novembro 16, 2009

Americas Chronicles (ou o meu novo look...)

Olá meninas. Peço desculpa por não ter sido o mais presente dos idolos, mas tenho andado ocupado.
Para terem uma ideia, passei o fim de semana que vos contei em Nova Orleães, fui para Dallas, atravessei os Estados Unidos para Nova Iorque, depois o Atlântico para Londres, cheguei a Stavanger, fui para o escritório. Falei com a malta, brinquei com o cão do Eirik (dentro do escritório... longa história), vi que não ia ter o computador pronto, fui para o Rica Park Hotel (gostei mais deste que do Radisson Atlantic) e no dia seguinte foi um sem parar de updates, relatórios e mais o camandro antes de voltar a Portugal.

O tempo cá até está bom para descansar, mas é algo que não tenho feito muito a tratar de... enfim, sair deste friozinho e chuvinha.
Sim, amanhã embarco em mais um avião com destino ao Cairo (com passagem por Madrid) e enquanto pensava nesta viagem da última vez que estive offshore, decidi eperimentar o meu ar taliban para o caso de ser necessário algo do género nesta viagem. :)

Aqui já estava a preparar-me para vir embora. Imaginam o trabalho que é cortar a barba toda (à tesoura ainda por cima)??
Assim cortei só um cadito e andei uns dias a testar este ar de... enfim, tenho de o admitir (kit de limpeza. Sim, Ciganito, estou a pensar em ti).
Este era o ar inicial... que tal? Um autêntico taliban, hein??? LOL
Pronto, falta a toalha de pic-nic à volta da cabeça. LOL

Duvido que escreva seja o que for durante a minha estadia no Egipto... e muito menos que meta fotos online.
Também me parece que vou ter muito pouco tempo entre viagens (Egipto e a próxima viagem de trabalho) pelo que o meu blog vai andar um cadito abandonado.
Prometo trabalhar arduamente para depois pôr as minhas noticias todas em dia mal chegue. :)

Beijo para as fãs tolas e para a minha nova #1 que nasce esta semana!

quinta-feira, novembro 12, 2009

New Orleans Chronicles (mas já vim embora...)

Nova Orleães é gira. A Katrina arruinou com tudo por lá, mas depressa tudo se recompôs no bairro tipico, o chamado quarteirão francês, onde 90% do interesse de Nova Orleães reside. Não demorou muito a ficar apanhado pela loucura da Rue Bourbon onde bares de strip tease, bancas de bebidas e clubes de Jazz/Blues convivem lado a lado. Durante um fim de semana foi a loucura todos os dias! Como se vê na foto...

Entretanto aproveitei para umas compritas que já precisava, escova dos dentes a mais importante, chapéu e óculos menos importantes mas comprados primeiro (tax freeeeeeeee) também comprei um daqueles óleos perfumados feitos com essências base. Quem quiser cheirar tem de me pedir com jeitinho.

No entanto as duas coisas que considero os pontos altos da viagem a NO são nada mais, nada menos a Maison Bourbon com espectáculos ao vivo de Jazz e Blues e o museu da II guerra mundial. Eu fui um sortudo porque fui dos primeiros a estrear o novo teatro a 4 dimensões do museu. Sim, 4 dimensões e não precisamos dos estupidos óculos com uma lente de cada cor. Como se isto não bastasse, para além da inauguracão ter sido dois dias antes, apanhei com o dia dos veteranos e o museu, e mais tarde reparei nova orleães, estava cheio de ex-combatentes da II grande guerra. Quem quiser saber mais sobre isto pergunte!
E ao sair do Museu reparei que já passei por muitos dos sitios importantes da II guerra. Falta-me mesmo a Normandia e Pearl Harbor. E gostava de ver a história da guerra contada pelos alemães (já que os japoneses não estão para isso).
Digam lá se isto não vos faz lembrar do Tom Sawyer???


Outra das coisas que me deixou simplesmente passado lá nos States foram os preços. Sim, os preços. Não havia um único preço que não acabasse em .99 sério, será que este truque ainda resulta??? Ahh e o pormenor de nenhum dos preços incluir impostos. E esta hein??
Claro que o tax free shopping para os estranjas dá imenso jeito e eu, tá claro que ainda almocei à custa disso. e do cambio... Lol

Beijo para as tolas...

terça-feira, novembro 10, 2009

Pequena nota...

Estou em Heathrow, ja tomei um banhinho nos chuveiros do Lounge, ja tomei o pequeno almoco, meti um perfumezito que trouxe duma perfumista nos States e estou como novo.

Vou passar no escritorio para ir buscar umas cenas, mandar por correio outras, pegar nos novos fatos vermelhos (azeite...) e dormir no Rica Park mesmo ali no centro de Stavanger.
Ainda vou, concerteza, passear pelos 0 graus de Stavanger... tou com uma comichao nos dedos para ir bater umas fotos que nao imaginam.

Beijos e quando chegar, meto fotos de Nova Orleaes

sexta-feira, novembro 06, 2009

Acabou-se. (por agora...)

Hoje saio do Americas e vou para Nova Orleães sem computador. Logo, só lá para dia 10 ou 11 é que vão ouvir mais alguma coisa de mim. :)

Eu vou ver se me divirto e se compro os tipicos imans para as fãs. Imans, postais, prendas para as primas, roupa quente para não gelar na Noruega... enfim, o costume. :P

Divirtam-se muito e nada de fazerem meninos que a crise anda aí.

quinta-feira, novembro 05, 2009

Cronicas do cha verde...

Ora vejam isto...
http://saude.sapo.pt/artigos/noticias_actualidade/ver.html?id=1028396

Sera que ainda havia duvidas?????

terça-feira, novembro 03, 2009

Concurso (ou algo do género...)

Olá fãs que não deixam comentários.

Estava há dias a procurar pela net por coisas para animar blogs e olhem o que encontrei... bom, na altura esqueci-me de tirar o site, logo agora apenas vou descrever o que encontrei.
Portanto, descobri que existe quem partilhe da minha tristeza pelos pouquissimos comentários deixados pelos milhares (façam de conta) de pessoas que lêem as minhas parvoíces. Vai daí, li mais um pouco e descobri que essas mesmas pessoas descobriram uma forma de conseguir comentários para o blog que é no minimo... diferente.

Eu explico, o que elas fizeram foi basicamente um negócio. Quem escrever x comentários, tem direito a uma fotografia no blog. Mas atenção que não é uma fotografia qualquer!!!
A fotografia é tirada a uma parte especifica do corpo do escritor do blog com a possibilidade de ser la escrita uma frase. Estão a ver a ideia? Vocês deixam comentários e ao fim de x comentários dizem "quero uma foto do teu pirilau a dizer 'Welcome to Uzbekistan country'".
Como é óbvio, eu não posso tirar uma foto ao pirilau porque não tenho uma grande angular na minha máquina fotográfica. :P

Vai daí, deixo desde já aqui a minha tabela de preços:

10 comentários - foto duma parte do corpo (à escolha do bloguista)
15 comentários - foto duma parte do corpo (à escolha do comentador com aprovação do bloguista)
25 comentários - foto duma parte do corpo (à escolha do bloguista) com uma frase (à escolha do comentador com aprovação do bloguista)
35 comentários - foto duma parte do corpo com uma frase (à escolha do comentador com aprovação do bloguista)
50 comentários - foto duma parte do corpo com uma frase (tudo à escolha do comentador)

100 comentários - deixo a comentadora (e só comentadorA) escrever o comentário com uma caneta de filtro no sitio que quiser e tirar a foto.

Como é óbvio, é preciso inscreverem-se no concurso para eu tomar conta dos comentários e depois atribuir o prémio à vencedora.

Notem, que têm de escolher o prémio à partida. Ou seja, escolhem um prémio de 15 comentários e mesmo que tenham 10 na vossa conta, só com mais 5 é que têm direito a prémio.

Beijos para as fãs.

sexta-feira, outubro 30, 2009


Estarei a ficar velho??? Barba branca? :S
USA Chronicles (ou um bocadito do Japão nos Estados Unidos...)

Olá meninas vestidinhas de saia azul acima do joelho e uma blusinha branca com os botões de cima desapertados com um lencinho ao pescoço...
Hmmm, acabei de descrever uma colegial Japonesa... isto não pode ser bom.
Mas adiante... lembrei-me há dias duma cena gira que vi no aeroporto de Dallas.
Estava eu a chegar à minha porta de embarque quando vejo uma máquina automática de venda relativamente desproporcionada para o que é normal nestas máquinas.

Quando vou a ver, dou de caras com isto:


Isto é uma máquina de venda automática de artigos electrónicos. Sim, nada mais... carregadores, telemóveis desbloqueados, iPods, PSPs, jogos para consolas... tem tudo aqui. Não funciona com moedas, é preciso passar o cartão. Mas isto é um exemplo de alguém que adaptou a mentalidade Japonesa destas máquinas ao local e também país... Sim, país porque não estou a ver os americanos a venderem cuecas de teenager usadas numa máquina de venda automática. Principalmente num aeroporto.
Sim, é um facto que esta gente é muito puritana!

Hoje a crónica é pequenita porque... bom, estou desinspirado.

Beijo para as fãs Japonesas.

quarta-feira, outubro 28, 2009

Noticias sobre mim (não pode ser sempre sobre os States, né???)

Pois é... isto já vai para lá do meio e a comida não tem a mesma qualidade. Apesar daqui se verificar que o cozinheiro é de facto gordito... a comida não é grande coisa. Falseando, portanto, a declaração dum amigo/colega meu que está numa plataforma a umas milhas daqui. Vá... estou a ser injusto. Os brownies, bolachinhas de amendoim, passas e chocolate são divinais.
Esta ultima semana que passou foi interessante... ver que paguei de IRS o que normalmente pagava em Portugal apesar de receber um cadito (só um cadito... LOL ) mais que lá. Por isso, sim... apeteceu-me ter uns dias de, perdoem-me a expressão, putas e vinho verde. Mas aqui não há alcool nem mulheres...

Noutro campo da minha vida... Achei que ir a conduzir de Houma (ou Port Fouchon), se não sabem onde é... googlem. Como estava a dizer, como não estou para andar mais umas 4 horas de carro entre o heliporto/porto e Lafayette, mudei os meus bilhetes para Nova Orleães. E como se não bastasse... eh eh eh eh... vou lá passar um fim de semana. Aposto que lá haverá um real substituto do vinho verde. Aiiii, saudades do chá verde!

E depois, dia 9 vou partir em mais uma louca viagem. Saio de Nova Orleães para Dallas, passado uma hora (oxalá dê para comprar o tal chapéu) entro num voo que me vai levar até Nova Iorque e passado 2 horitas mais ou menos, vou de lá para Londres.
Chegado a Londres, vou sair do aeroporto para tomar o pequeno almoço com uma fã londrina. E passadas umas 4 horas embarco de novo e paro em Stavanger. Saio do aeroporto, apanho um taxi e vou para o escritório onde vou ter um computador lenovo novo já que o meu deu o peido. Pego no computador, pouso as malas... meto umas cuecas na mochila e vou para o hotel (Nota mental... marcar hotel).

No dia seguinte vou fazer os relatórios de despesas para o escritório e chego a Portugal por volta da meia-noite.

Acho que vou estar meio cansadito depois disto... ainda bem que tenho 3 dias para descansar no Radisson de Sharm el-Sheikh.
Depois mando fotos.

Beijo para as fãs londrinas.

segunda-feira, outubro 26, 2009

Pedido muito sincero do vosso idolo...

Minhas gentes... e digo gentes porque me estou a referir a toda a populaça tuga e não só às meninas como de costume.
POR FAVOR, PAREM DE ME MANDAR MAILS A INSULTAR A MAITE E/OU BRASILEIROS!!!!!

Sério. Parem!!!

Eu não queria escrever nada sobre este assunto, mas desde que toda a gente me envia mails sobre a reportagem da mesma decidi quebrar o meu silêncio sobre o assunto.

Uma reportagem em jeito de brincadeira e fica toda a gente indignada por a Maite ter dito uma verdade e não ter sido especifica em datas. Minhas gentes, (professoras de história incluídas...), ela não estudou história de Portugal! E ainda assim acertou... disse que o Salazar esteve no poder mais de 20 anos. Agora proponho-vos um belo dum exercicio. Perguntem aos cidadãos Portugueses quanto tempo Salazar exerceu o seu poder em Portugal. Eu posso pessoalmente assegurar-vos que muita gente mais nova (e talvez mais velha) vai falhar por muito mais do que a Maite. Muitos não vão saber. E sabem porquê???
Porque os nossos queridos professores de história preferem passar horas e horas a delirar sobre os motivos que levaram D. Sebastião (Sebas para os amigos) a ir para a guerra sem descendência assegurada e com apenas 16 anos e sem experiência em combate... ou falar do D. Fernando, o Formoso... Ou do pinhal de Leiria plantado por D. Dinis, O Lavrador.

No entanto, muitos poucos alunos saberão quem foi D. Pedro V... Ainda menos saberão qual foi o ultimo rei de Portugal no trono... Aposto que quase todos os que sairam do preparatório este ultimo ano desconhecem que Portugal teve um D. Carlos e que o mesmo foi importante para a ciência em Portugal.

25 de Abril??? Sim, perguntem aos nossos jovens o que foi o 25 de Abril... acham que eles vão saber??? Aposto que a Maite sabe que foi uma revolução levada a cabo por militares.
No entanto, os nossos jovens não fazem a minima ideia sobre o que foi... Como é que eu sei isto??? Porque não houve uma única professora que mo explicasse. Tão simples como isso!

E pergunto eu se isto não fará parte duma estratégia do Governo para nos ir dominando a pouco e pouco... afinal de contas se a maior parte dos jovens não sabe o que foi o 25 de Abril... não poderá questionar os motivos que o tornaram realidade e como tal não lhes passará pela cabeça fazer o mesmo com este circo politico que governa (???) Portugal.

E o resultado disto o que é??? Nem mais... toda, ou quase toda a populaça reage como uma massa amorfa aos designios da televisão sem sequer parar para pensar um pouco no contexto e ainda pior, sem olharem para dentro de si e pensarem se não fariam pior.
A Maite tentou imitar uma estátua numa fonte... os tugas escarram todos os dias para todo o lado. Ela insultou o Mosteiro dos Jerónimos??? Não vou precisar, mas posso apostar que já lá vi uns graffitis... Ela não sabe a duração exacta do "reinado" do Salazar... deixem lá, muitos tugas também não sabem.

Quanto ao problema do técnico do hotel... garanto-vos que se me acontecesse algo semelhante a mim eu escreveria para o blog e sabem outra coisa engraçada??? Vocês iam-se rir! Iam dizer que os Coreanos ou Americanos ou qualquer outro povo do Mundo eram uns paspalhos por me terem enviado um técnico que não sabia de computadores. Quando na realidade o que se passou foi o tipico excesso de bondade pelo qual os tugas são conhecidos.

Portanto, a meu ver se existe algo a apontar à Maite é nada mais nada menos ter gozado com esta vontade de ajudar tipica dos tugas em que uma recepcionista enviou um canalizador para reparar um computador... E mesmo assim é discutivel já que até vocês se iriam rir da situação caso se tivesse passado com Portugueses como hóspedes ou em hoteis estrangeiros.

Já sei que não concordam com a minha perspectiva e que neste momento me estão a insultar... por isso peço-vos encarecidamente que deixem de me mandar mails sobre isto!

Beijinhos e um aperto de mão para os gajos.

sábado, outubro 24, 2009

Mind fuck (ou uma daquelas dúvidas existenciais para a qual não aceito respostas da Carochinha)

Estava há dias a falar com uma amiga minha e surgiu-me esta duvida: "Ora, se Deus criou o homem à sua imagem... e esse homem foi o Adão. Então o Adão foi o segundo homem e Deus foi o primeiro, certo?"
E depois pus-me a pensar mais um cadito e cheguei a outra duvida ainda mais engraçada... Portanto, se Deus foi então o primeiro homem... quem é que o criou a ele? E essa entidade, também o criou à sua imagem? Fazendo então com que Deus fosse o segundo homem e o Adão acabasse com a medalha de bronze.

Ora minhas amigas procurem lá pela Biblia umas respostas a isto... podem também procurar no Corão e no livro do Budismo porque cheira-me que não vão encontrar uma resposta decente.

Beijo para as fãs residentes em Goring...

quinta-feira, outubro 22, 2009

USA Chronicles (ou a primeira impressão do país dos processos judiciais...)

Olá meninas.
Aproveito para vos avisar que o meu computador deu o real peido. Em consequência disso vou dar um pulito à Noruega para ir buscar um (e cravar uns dias de demobilization).
Mas hoje vou falar-vos de algo que me deixou estupefacto noutro dia enquanto via TV. Sim, eu vejo TV porque... tenho de admitir, é muito diferente da TV tuga. Imaginem a crónica semanal do Miguel Sousa Tavares e do Marcelo (sem a parte dos livros) mais uma pitada da arrogância e, ouso dizer, estupidez da Manuela Moura Guedes. Conseguem imaginar? Sim... conseguem, estou já a imaginar a vossa cara de espanto com esta mistura explosiva.
Pois bem... aqui nos States, têm diáriamente pelo menos 2 gajos em cada canal que correspondem a essa mistura referida umas linhas acima.

Brutal, hein??? Admito que a maior parte só diz, perdoem-me a expressão, merda. Mas é giro vê-los a atacar toda a gente. LOL

Mas o que mais me incredulou (transformei um adjectivo num verbo... ao ritmo a que andam a espachar Prémios Nobel, para o ano ganho um com este truque) foram dois anúncios na TV.
Ora os anúncios eram de duas firmas de advogados e perguntavam se alguém que tinha tomado umas pilulas contraceptivas e tinha tido efeitos secundários graves, devia contactá-los para eles meterem a farmacêutica em tribunal e sacar indemnizações. :\ Eu fiquei... espantado e talvez até um pouco escandalizado. Tudo bem que eu acredito na justa retribuição das acções... mas isto é simplesmente incrivel. Alguém incentivar processos em tribunal entre terceiros para proveito próprio simplesmente dá-me a volta à cabeça.

Mas pronto... é sempre engraçado ver que Portugal não é assim tão mau como isso... tirando a esstupidez com que as pessoas reagem à histeria provocada pelos meios de comunicação social sem sequer pensarem.

Vou-me e hoje deixo beijos às fãs que não tomam pilulas contraceptivas.

terça-feira, outubro 20, 2009

Crónica sociológica (para desanuviar...)

Ahhh que felicidade não ter de ver televisão nesta altura do ano... e verdade seja dita até ao fim do mesmo.

Isto porque a tipica publicidade de Natal com brinquedos, televisões, leitores de DVD, aparelhagens, carros, etc, etc, etc... dá-me cabo da paciência.
E vem isto a propósito de quê???

Da coisa mais inacreditável que possam pensar... Não, parem lá de pensar em mamas... Isto desta vez é um daqueles posts sérios sem piada nenhuma. Nada? Não?

Pois bem, vou falar-vos da Somália. Esse país maravilhoso sem Governo que está... enfim, sem ninguém que o comande excepto uma espécie de tirano. E digo espécie porque na realidade para ele ser um tirano, tinha de controlar o país todo e toda a gente. Mas a realidade é que não controla. Apenas controla algumas coisas que lhe permitam manter a carteira desafogada.
E o resto do país... vai andando com a carteira... Esqueçam. O resto do país nem carteira tem. O resto do país que também gostaria de receber, sei lá... alguma coisa no Ramadão, tem de fazer pela vida. Ora, pensem comigo... portanto, temos um país em que as riquezas naturais estão controladas por mercenários e milicias (apesar de serem poucas), não existe propriamente economia. Afinal de contas, nem tenho a certeza se existe dinheiro. E infra-estruturas onde as pessoas possam ter um emprego também devem ser quase inexistentes... Portanto, perante um cenário destes... os pais daqueles país que querem dar uma prenda aos filhos pelo aniversário deles... ou o rapazola que quer dar uma jóia ou algo do género para receber a chave do cinto de castidade da moçoila não têm como o fazer legalmente.
E agora, atenção, entra outro pormenor engraçado... a palavra legalmente também não pode ser aplicada a um sitio que não tem um Governo, certo? Logo... apenas é moralmente "ilegal" roubar. E aqui é que a malta esbarra num problema. O país está destruido. Não há nada para roubar e o que há está muito bem controlado pelos mercenários que, convenhamos, são do mesmo país e poderão até ser parentes uns dos outros. Vai daí... e já que a costa do país deles é a modos que uma A1 do Indico para o Mediterrâneo, porque não fazer umas massas com os navios que passam???

Eu não estou a desculpar ou a incentivar, e muito menos a dizer que concordo com o que fazem. Mas que compreendo, isso compreendo.

E os Governos dos países ditos industrializados e avançados onde gente recebe prémios Nobel e coisas mais... em vez de olhar para este problema como eu olhei e arranjar maneira de pôr aquela malta num emprego com algum rendimento que lhes permita andar por casa, não... "vamos mas é mandar para lá as nossas armadas para proteger os navios que passam". Incrivel, hein? Será que não percebem a inutilidade da medida e consequências desastrosas no futuro? É que para um Somali cujo pai não conseguia alimentar a familia e foi morto ao tentar saquear um navio para cumprir o seu papel de "homem da casa", entrar a bordo dum navio destes com uma bomba atada à cintura e detoná-la é um pensamento perfeitamente normal.
Haja dinamite para rebentar... e isso minhas amigas, tenho a certeza que nunca faltará por lá.

E pronto, assim me despeço e hoje não deixo beijos.

domingo, outubro 18, 2009

USA Chronicles (ou uma cena gira...)

Agora que vim aqui ao Sul mesmo Sul dos Estados Unidos, tenho de eventualmente ir a uma cidade... digamos... moderna. Porque as cidades aqui por baixo são um tanto ou quanto... enfim, tão a ver aquelas cidades dos Cowboys que era só uma rua e casa dum lado e doutro? Pronto, aqui é parecido... mas as casas são modernas. LOL
Também me avisaram que a consanguinidade aqui é elevada pelo que não devia esperar por génios... Isto é relativamente simples de provar. Basta ver quantos funcionários da NASA são provenientes do estado de Louisiana. :| Claro que nem tudo é mau e a comida é da melhor que existe pelos Estados Unidos. :)

No entanto, o que me traz aqui hoje foi ter verificado a existência das carrinhas de caixa aberta desproporcionadamente grandes.
Amigas... são parques de estacionamento repletos de carrinhas tipo a GMC Sierra, Chevrolet Silverado ou a Ford F-150. Eu fiquei siderado, mas como não estava de dia não pude tirar fotografias. :( No entanto, prometo tirar umas fotos para fazer uma comparação com, por exemplo, o parque de estacionamento do continente. :\ LOL

Noutras noticias... vou ao Egipto.

Beijo para as fãs que se vestem de Cleópatra.

sexta-feira, outubro 16, 2009

USA Chronicles (ou a minha mudança de carreira...)

Olá fãs.

Será com algum agrado que algumas fãs receberão esta noticia. O vosso idolo está a ponderar seriamente numa mudança de carreira...
Isto pode tomar-vos de surpresa e ainda mais quando souberem da carreira que escolhi.

Decidi que quero ser policia nos Estados Unidos. Felizmente que a barriguinha vai a caminho da dum policia respeitável e aqui não usam bigode. E perguntam vocês porque carai*** quero eu ser um policia nos USA?
Quer-se dizer... com tanto crime, salários da treta, paspalhos do CSI que se julgam os maiores... o que poderá haver de interessante num emprego desses em que tenho mesmo de usar uma farda?
Bom, para além das malucas que polulam este mundo que não podem ver um homem de farda... está o verdadeiro motivo desta decisão.

É que aqui nos USA a "moina" anda nuns carros cujo nome é Dodge Charger (modelos de '07). Para quem não sabe, a fotografia está em baixo. E após ter estado ao lado dum... meus amigos, digo-vos que acelerar com aquilo por uma autoestrada deve ser uma coisa doutro mundo. O único desmancha prazeres é mesmo a caixa automática que não nos permite fazer umas reduções para sentir a resposta do motor. Mas não se pode ter tudo. Depois de saber o que é necessário para ser um moina nos States, digo-vos! :)

Beijo para as futuras fãs que eu vou mandar parar.

P.S.: Se se estão a perguntar porque é que eu não compro um carro destes em vez de me alistar na policia... a resposta é fácil. Se eu o comprasse, quem tinha de lhe encher o depósito era eu. Assim serão os contribuintes! ;)

terça-feira, outubro 13, 2009

USA Chronicles (ou a recordação do EspinhoMar II...)

As sortudas que me acompanharam a uma arrozada de marisco em Espinho podem agora recordar o nome do restaurante e alguns dos inevitáveis espectáculos e experiências inerentes a tal visita. Ora se bem se lembram, o restaurante não é o tipico comedouro onde metem uns pãezinhos e umas ceninhas de manteiga/queijo/paté. Ali eles fazem umas torradinhas de pão seco (se ainda houver) num grelhador e barram as torradinhas com uma manteiguinha muito saborosa.
Como podem ver, eu gosto das torradinhas de lá.

Só não gosto mesmo é dos guardanapos. Eu já usei todas as tácticas conhecidas ao homem para comer as torradinhas sem sujar as mãos, mas... não dá e aqueles guardanapos não facilitam a limpeza das mesmas. Eu explico... os guardanapos são umas coisinhas muito finas de folha simples e nenhuma das faces é absorvente. Eu digo, nenhuma mesmo!!! Logo, limpar as mãos com aqueles guardanapos resulta inevitavelmente num, digamos... espalhamento da gordura localizada na ponta dos dedos para o resto das mãos e... com azar para outros lados.
Lembro-me agora duma vez que me deu uma comichão na testa... e doutra que foi naquela zona compreendida entre as pernas e tronco. Se bem que dessa vez, acabei por limpar as mãos nas calças. :)

Ora e vem toda esta verborreia, para quê?

Porque a crise atingiu-nos a todos... incluindo a American Airlines que passou a cobrar a cerveja e amendoins nos voos deles e que... pasmem-se, usam papel higiénico da mesma qualidade dos guardanapos do EspinhoMar II. Estão então a ver a experiência que foi ir ao WC (e tive de ir mais que uma vez) e limpar o rabiosque com aquilo.
Não me estico mais neste assunto porque... vá, vocês não merecem semelhante esterqueira no vosso monitor.

Beijo para as fãs tolas que foram comigo ao EspinhoMar

sábado, outubro 10, 2009

USA Chronicles (sim... afinal deixaram-me entrar.)

Ora cá estou... no Golfo do México a cerca de uma hora e meia da costa (para quem vem de barco) e afinal consegui entrar no país. Não sem antes passar por certas... como dizer... complicações.
Mas vamos colocar isto numa ordem cronológica.

Ora, chego a Madrid, reparo que não meti perfume, percebo que não existem imans para o frigorifico e faço o que qualquer homem são faria. Vou às lojas e meto um perfumezito para cheirar bem durante a viagem. Usei o 212 da Carolina Herrera. É bom. Depois, chego à porta de embarque e um espanholito da treta diz-me que tenho de passar pela segurança. Ora... segurança de novo... lá me dirijo ao balcão da American Airlines e sou convidado a responder a umas perguntas. Assim tipo aqueles gajos que nos interpelam na rua, tão a ver? E as perguntas foram algo como?

Onde esteve antes de embarcar neste voo?
Que dispositivos electrónicos transporta consigo?
Comprou alguma coisa em Madrid?
Transporta algo que não seja seu?
Algum dos dispositivos eletrónicos foi reparado ultimamente?
Qual o comprimento da sua gaita?
Quer ir comigo até ao Lounge da OneWorld dar uso a esse animal enjaulado que traz nas suas calças?

Ok... admito que me deixei levar pela imaginação... Peço desculpa. Era mesmo no WC.

Ora saído deste encontro estúpido com esta "segurança" onde fiquei a pensar se algum terrorista responde sinceramente a estas perguntas e se alguma vez apanharam alguém com este fantástico questionário, dou de caras com muita gente à espera que pelas minhas medidas não cabem nos assentos do avião... Mas pronto, ainda antes de entrar para o avião, recebi mais um controlo de segurança onde me perguntaram:

Comprou alguma coisa desde o ultimo controlo de segurança?
Onde esteve a sua mochila desde o ultimo controlo de segurança?

Sim, eu aproveitei para gozar com a gaja que, infelizmente, apenas estava a fazer o seu triste trabalho. :(

Entrado no avião, fiquei contente por reparar que tinha espaço para as pernas e que não tinha ninguém do meu lado esquerdo nem direito. :)

Durante a viagem e chegada mais aconteceu, mas... vou-me guardar para outra altura.

Fico agora a pensar em todo este controlo de segurança e se realmente funciona, isto sem falar no controlo que me fazem relativamente à minha chegada e onde vou ficar, etc, etc...
Eu não sou propriamente um historiador, mas creio que foi um dos fundadores deste país onde me encontro agora que disse:

"Those who give up freedom for security deserve neither." ou em Português, "Aqueles que sacrificam a liberdade por segurança não merecem nenhuma delas." .
E na realidade acho que o Ben está agora a dar voltas na campa devido ao que o país dele se tornou.

Beijo para as meniinas

terça-feira, setembro 22, 2009

London Chronicles (ou um pequenissimo pedido de desculpa...)

Olá meninas...

Peço desculpa pela minha tão prolongada ausência. Acredito que tenha sido horrivel para vocês, mas também não é fácil para mim encontrar que escrever aqui pelo burgo.
Daí que tenha ido passar um fim de semanazito a Londres... mas para vos ser sincero, não tenho muito para contar.

3 dias não chega para muito em Londres... se quisermos ver monumentos, zonas tipicas e um ou outro museu deixamos muita coisa importante por fazer e ver. :(
Estou agora a pensar em vários museus fenomenais e... ainda mais importante, tirar um belo ronco depois dum bom almoço num dos jardins da cidade.

Provavelmente vou lá voltar... mas até isso acontecer, vou pensando em paragens mais quentes e ver se encontro a inspiração que não sei onde deixei. :\ Talvez esteja na mochila... :S

Beijos para as fãs que partilham do sentimento descrito por mim no inicio.

terça-feira, setembro 08, 2009

South Africa Chronicles (ou África do Sul durante uns diazitos...)

Olá meninas de coro com uns fatinhos de saia acima do joelho e uma blusa branca relativamente transparente...

Hoje tenho imenso para vos contar... tanto que vou separar em vários posts. Até porque em Portugal tenho sempre pouco para escrever e assim posso esticar o assunto. :)
Sendo assim, posso dizer que Durban é uma cidade grande... vi o novo estádio de futebol para o 2010, vi bichinhos, dos quais vou meter aqui fotos hoje e andei de helicóptero.
O sentimento que fiquei de Durban é que tudo está meio construido... ou meio destruido. Esquisito...

Tenho a lamentar e nem sequer sei como dizer isto à minha prima... mas o primo comeu um Pumba feito em salsichas... E ainda pior é o facto de ser bom. Para quem não sabe quem é o Pumba... vejam "O rei leão" de novo e ficaram com uma ideia melhor.
Também comi crocodilo... apesar de ainda agora pensar que aquilo era galinha. E agora sei que me posso mudar para a India sem problemas. Comer carne de vaca não me vai fazer falta... vaca de 4 pernas, entenda-se... :$ (tenho de parar com estas piadas porcas que já recebi queixas) depois de comer bife de bufalo... não quero outra coisa.

Infelizmente, reparo agora que não tenho muito para contar... apesar de ter mais uma página da minha vida preenchida que a seu tempo deixarei escrita por aqui... por isso vou deixar-vos fotos de bichezas! :) Parece-vos bem?













beijos para as fãs mais atentas... :p

quinta-feira, setembro 03, 2009

Americas Chronicles (ou uma costeleta que... aiii JASUS!!!!)

Olá gajas.

Eu sei, eu sei... sentiram a minha falta... Pois bem, cá estou eu para vos dizer que dentro em breve vou pisar terra de novo. Vai ser uma experiência engraçada voltar a sentir terra firme debaixo dos pés e principalmente lavar-me num sitio que não se mexe! :)

Mas o que me traz aqui é mesmo a dieta no Americas. Eu devia ter tirado mais fotos, e vou fazê-lo quando cá voltar... mas para já vão ter de levar com uma leve descrição.
Hoje comi aquilo a que os americanos chamam de prime rib... que é assim um naco de carne de vaca assado no forno servido com o que quisermos... com o que quisermos porque, verdade seja dita uma porção chega para 3 dias sem comer nada. Sim, é assim tão grande.
Mas entristece-me... Olhar para o bife... lembrar-me que está ali à minha frente meia vaca numa posta... E apesar de me queixar amiúde do tamanho do bife... só me apetecia ter ali uma vaca inteira para comer. :(
Triste, né?

Para quem não percebeu o trocadilho, parabéns! Continuem com a vossa existência feliz e ignorante... Para as outras... nada de ciúmes! LOOL

Beijocas e té já.

sexta-feira, agosto 28, 2009

Páginas da minha vida (ou onde eu estava há precisamente 7 anos atrás...)

Olá leitoras.
Hoje decidi mudar o titulo das minha tipicas crónicas para um motivo mais introspectivo. Sim, é verdade que o tempo por aqui é muito e talvez por isso me dedique a reviver certas memórias deste livro de histórias que um dia será editado sob o titulo "Carlos Cardoso, a vida do único imperador de Portugal". Mas como ainda não me virei para a politica, deixo aqui uma antevisão, ou melhor, um trailler (em americano "traila") desse marafabulástico livro que irá resultar em várias edições video.
"Carlos Cardoso, National Geographic edition", "X-Men, a ascensão de Carlos Cardoso" (desta vez com um Wolverine decente... ou seja, eu), "O senhor do Anéis. O regresso do Bubu", and so on, and so on...

Let's look at the trailla


Corria o ano de 2001 quando alguns dias após o regresso dumas divertidas férias pelo Sul de Portugal com uma incursão por terras espanholas em busca duns "calçones de waterpolo", eu recebo uma mensagem do N a dizer para virar para o canal 2 e que tinhamos de lá ir!!
Eu liguei a televisão, que na altura só tinha 4 canais... televisão essa que possuo desde os meus 11 anos de idade onde o primeiro programa que vi foi um episódio do "Cheers, aquele bar" com o Ted Danson e a outra que ficou gorda... mudei para o canal 2 e eis que vejo o que me pareceu ser algo saído do Kill Bill. Como é óbvio para alguns, o Kill Bill ainda era um sonho na cabeça do Quentin Tarantino, mas todo aquele liquido vermelho a escorrer por ruas cheias de gente inquieta deixaram-me logo em pulgas. Isto aliado, claro, à minha cada vez mais denunciada demência e todas as possibilidades que se abririam perante uma viagem a Espanha.

A noite passou... e no dia seguinte entre aulas, lá conversamos sobre o nosso próximo plano de viagem. E mais importante, como conseguir financiá-lo! :S Ia ser complicado... eu e o To_ tinhamos acabado de nos mudar para a Faculdade de Engenharia e o N e H tinham o bacharelato para acabar... Mas, perante uma visão de êxito no ano académico, que melhor altura para nos fazermos à estrada e vivermos uma experiência daquelas?
O primeiro plano posto em andamento foi o angariamento de fundos e planos conjuntos de poupanca... mas percebemos que mesmo juntando 1€ por dia não iamos chegar longe porque, há que admiti-lo, a queima e outras actividades académicas iam-nos drenar as economias.
Foi com algum desalento que pusemos os travões no plano até mais ou menos Abril... altura em que já vislumbrávamos o fim do ano e consequente sucesso... e logo aqui percebemos que os 4 amigos que se aventuraram pelo Algarve no ano anterior iam-se separar já que o H não cumprira os requisitos académicos para fazer a viagem. Sentimos pena, mas subitamente pensamos que não iamos ter ninguém para fugir com a chave do carro obrigando-nos a deixar para trás uma noite numa caminha fofa acompanhados por umas irlandesas... ok... irlandesas e mais não digo!

Falamos entre os três e ficou decidido que iriamos à Tomatina. A queima não tinha sido tão nefasta assim e tinhamos ainda a possibilidade de um emprego temporário. Sim, tal e qual como fizemos no ano anterior, também agora estávamos esperançados nos serviços dessa empresa chamada Randstad e duma tipa que lá trabalhava muito jeitosa... para trintona. (lembrem-se que eu tinha 21 anos)

Chegados à altura final do ano, quando só nos restava uns exames para fazer, eu e o N lá fomos à Randstad e desta vez fomos encaminhados para essa fabulosa vila de Guilhabreu. eh eh eh Trabalhar na Portucel em turnos durante creio que 3 semanas. Essas 3 semanas permitir-nos-iam cumprir o nosso objectivo. :) Sim, isto mais parece um daqueles filmes do American Pie... mas deixem-me continuar.

O trabalho na Portucel... não foi tão divertido como no ano anterior. Com imensa pena minha, raras vezes estava na galhofa com o N e tinha de meter tábuas de cartão numa slotter. Lembro-me que na altura o n jurou nunca comprar louça sanitária da marca Valadares tal foi a quantidade de caixas que lhe passou pelas mãos. A seguir o mesmo raciocinio, eu nunca na minha vida terei equipamentos Televés. :\ LOL Mas foi divertido. Um dia particularmente feliz em que estavamos a fazer o turno da manhã recebo uma mensagem com a nota do último exame (que foi positivo) e horas mais tarde o Sr. Garcia da Confetil ligou-me! :\
Eu atendo e eis que surge um convite inesperado. A Confetil estava mais uma vez a fazer downsizing e precisava dos seus homens de mudanças. Eu disse que ia falar com o N e que passaríamos lá de tarde. Dito e feito... 3 dias depois estávamos de volta ao convivio do Sr. Mário (electricista de profissão) e da restante comitiva da manutenção. :) Desta vez não houve lições sobre helicópteros nem nada do género.

Como no ano anterior, também esta incursão pela Confetil foi positiva. Fizémos uns bons trocos e trouxémos roupinha boa para casa... E eis que chegados a esta altura estávamos já com a conta recheada e tinhamos já quase tudo planeado...

Durante o ano fomo-nos abastecendo de coisas indispensáveis para a viagem... guardanapos, talheres, condimentos, papel higiénico... todos eles cedidos muito gentil e desconhecidamente pelo ISEP e como eramos 3 pensámos no espaço da mala e decidimos comprar uma tenda que desse para os três dormirem à vontade. Chegado o dia da partida e porque a mãe do N não queria que conduzissemos do Porto ao Algarve fomos assaltados por uma certa frustração, afinal de contas iamos conduzir umas milenas de kms e não podíamos conduzir do Porto ao Algarve? Mas pronto... na boa.

Lá seguimos viagem. Primeira semaninha pelos Algarves a gozar do bom tempo, noite, praia, gajas, piscina, irmã e amigas da irmã do N (lembras-te daquele acordar no carro seguido duma espiadela às meninas?). E depois dum dia mimados com os cozinhados do ZM por volta das 01:00 do dia 26 de Agosto (aniversário de um de nós) e porque não queríamos pagar roaming... lá seguimos nós por essa estrada marafabulástica a caminho de Buñol. Sim, é Buñol e não Pamplona!
A viagem decorreu com... ok, eu conto. Tinhamos combinado que a todo e qualquer momento tinhamos de ter duas pessoas acordadas no banco da frente enquanto que o artista que fosse no banco de trás ia a dormir para retemperar as forças para saltar para o volante. (meninos atinadinhos, hein?) Lembro-me que conduzi umas poucas horas a servir de navegador ao N e depois a conduzir com o To_ a navegar... E recordo-me como se fosse hoje... o Tonecas a seguir as indicações desse fantástico software autoroute... (PAUSA HISTÓRICA)

Hoje em dia, toda a gente usa GPS e tom-tom para tudo e mais alguma coisa... em 2001 só alguns militares tinham GPS e softwares de navegacão estavam a anos luz do que se vê hoje. E incrivelmente a Microsoft tinha um software chamado Autoroute que fazia os itinerários tendo em conta algumas opções e depois era só imprimir aquilo para nos seguirmos na viagem. Devo dizer que funcionava melhor que alguns TomToms de hoje!! :\

(FIM DA PAUSA HISTÓRICA)

Nisto o To_ diz-me "On exit 356"... sai nesta. Eu saio... continuo a conduzir por uma estrada duvidosa e ele pergunta-me: "Olha... que quer dizer "On exit 356 Stay on"?. Pois... nem mais... saí na saída errada. Tão errada que a saída era umas quantas centenas de kms à frente!
Voltei para trás e após uma tipica discussão filosófica entre nós os dois voltei a entrar na direcção correcta. Passados alguns kms estava completamente esgotado e dei a vaga ao Nuno. Saltei para o banco de trás e aterrei... lembro-me que eles tiveram outra tipica discussão filosófica mas não prestei atenção ao que foi.

Acordei era ainda de noite, mas dava ares de que amanheceria dentro em breve. Saltei para o volante e segui pelo meio dumas montanhas enormes e quando a claridade já despontava achei que era altura de pararmos na próxima espelunca para tomarmos o pequeno almoço. Parámos num sitio, tão apropriadamente, chamado de "despenaperros". Entrámos, pedimos um café como autênticos tugas e perante a pergunta "solo o con leche?" respondemos "Solo". O pensamento nas nossas cabeças era: "Somos tugas carai$%&! Manda lá um café forte!".
Enganámo-nos e pagámos 0,9€ (180 paus porque o Euro ainda estava a entrar em circulação e o café em Portugal custava 50 paus) por uma mixórdia nojenta!!! :\ O N, insultou o dono do café com todas as forças que tinha. E fez bem. Ainda hoje tenho uma fotografia desse sitio. :\

Lá segui a conduzir até que farto de ver oliveiras em ambos os lados da estrada saltei para o banco de trás para outra soneca. Quando acordei a estrada era empedrada, o carro vibrava imenso e pelo vidro conseguia perceber que a rua era estreita.
Levantei-me, com uma cara de... bom, imaginem e à minha pergunta "Onde estamos?" recebi a tão desejada resposta "Buñol!".

O resto foi relativamente normal. Tinhamos chegado com um dia de avanço. Pudemos ainda ir montar a tenda em Valência e ir ver o palácio das artes e ciências (de que muito gostei) antes de nos fazermos à estrada para passarmos a noite antes do grande festival em Buñol.

O dia em si foi cheio... de tomate.
Deixo-vos a página onde meti as fotos que documentam o festival. Uma imagem são mil palavras e este post já vai longo.

http://paginas.fe.up.pt/~ee01013/ferias/tomatina.html

quarta-feira, agosto 26, 2009

Noticias do Mundo (ou a magnifica viagem dos Simpsons...)

Estava eu descansado no meu quarto... e digo quarto porque não o partilho com ninguém. Quando vi uma noticia que me intrigou a principio e me deixou estupefacto. Os Simpsons... esses mesmos, vão para África. :\ Tudo bem que o homem tenha surgido na África... mas daí até levarmos a maior invenção da TV para lá num formato diferente vai um bom pedaço.
Resumindo, os Simpsons foram ao médico do Michael Jackson e fizeram o tratamento inverso. Ou seja, ficaram pretos e mudaram-se para Angola. Por favor, não me apelidem de racista... como sabem eu odeio pretos, amarelos, brancos, altos, baixos, bonitos, feios e também não morro de amores por aqueles paspalhos que vão para a praia ficar vermelhos... mas... mudar a raça dos Simpsons é um tanto ou quanto racista! As piadas não iam ter o mesmo sucesso se fossem amarelos? LOL

Até parece que já estou a imaginar... mudaram-se para Angola, aprenderam Português e os tipicos sons e frases como passarão a ser?
Imagino o famoso "DOOOHHHH" do Homer como sendo traduzido para algo como "Foda-se!". Ou quando o Bart diz "Ai caramba!!"... nenhuma melhor frase que um autêntico "C'um carailho!". Estou já a imaginar... e admito que arranjando vozes decentes com sotaque carregado a série pode ter muito mais êxito do que teve até hoje. Imaginem só o Homer a babar-se e a dizer: "hmmmm, costeletas de porco..." Fenomenal... :\

Que se seguirá? Os Simpsons atacam a China e ganham olhos em bico? Pelo menos não precisavam de mudar a cor da pele, né?

Onde é que isto vai parar??? Eles deviam era ter ido para a África do sul onde lhes podia pedir um autógrafo! :(

Um último beijo para a Lisa, Maggie e Marge amarelinhas. :)

Será isto influência do Hemisfério Sul???

sábado, agosto 22, 2009

Americas Chronicles (Yes, YES, yes... finalmente sou um cidadão do Mundo!!!!!!)

Olá gajinhas...

Se bem se recordam, em tempos descrevi neste mesmo espaço de insanidade literária os requisitos para ser um cidadão do Mundo. Não me lembro exactamente de todos os requisitos, mas sei que o único que me faltava era só e apenas atravessar o Equador. Essa linha imaginária que corta o nosso canto azul ao meio (assim tipo queijo Limiano) e que marca a inversão das estações temporais... Assim sendo, ontem passei instantâneamente do Verão para Inverno. Assim... dum momento para o outro. :)
E finalmente cumpri o requisito de me tornar um cidadão do Mundo. Como a vida é feita de objectivos, nada melhor que traçar desde já o próximo...

Sendo assim, agora aspiro tornar-me naquilo a que vou chamar de nativo do Mundo, sendo que o requisito necessário para fazer a transição de cidadão do Mundo é pisar todos os continentes da terra excepto os pólos porque são muito frios e tirando o deserto seco, estão cheios de gelo. :P

Entretanto, aproveito para vos informar também que adicionei mais um alimento à minha longa lista de panados. Desta vez foram cogumelos panados... admito que até soube bem, mas preferia uma francesinha. :P

Hoje não deixo beijos... excepto para a #1. :)

P.S.: Lá para os fins de Setembro vou a Londres... se o navio chegar a tempo. :|

quarta-feira, agosto 19, 2009

Americas Chronicles (ou uma tarde bem passada...)

Olá donas de casa desesperadas...

Hoje tive uma tarde fixolas. É por alturas destas que eu vou curtir estas viagens com o Americas.
Começo por vos apresentar o Vince e o Lance (nomes verdadeiros)... estes dois artistas são os chamados "ETs" cá da plataforma. E apesar de serem um tanto ou quanto ETs, não são extraterrestres. São técnicos de electrónica.
Tenho de admitir que eles são uns bacanos e são sulistas dos States. O que os torna muito mais interessantes de conhecer porque destes não se conhece fora dos Estados Unidos. Basta verem que o primeiro país que eles viram que não os Estados Unidos foi a Coreia do Sul por causa deste trabalho. Sequer ao menos os tugas vão a Badajoz comprar caramelos e a malta do norte ia a Vigo fazer compras ao El Corte Inglés.

Adiante, estava eu com estes dois e um técnico da IDS alemão a falar e a comparar a Europa com os Estados Unidos e caímos a falar de carros. Escusado será dizer que eles só pensam em carrinhas e tem de ser com muito espaço e grandes... Para terem uma ideia fizeram pouco, quais criancinhas num balneário a comparar pirilaus, duma Passat carrinha topo de gama. :\ E eu, o inevitável agitador, mostrei-lhes um Smart. A resposta imediata foi "Nem morto me apanhavam dentro disso!". Eu curti. LOLOL

Adiante... continuamos a falar e a conversa descaiu duma forma muito inesperada para a religião... este é desta religião, aquele da outra e fiquei a saber que eles vão duas vezes à igreja por semana. Uma vez às 4as e outra aos Domingos. E os Domingos... P.Q.P. oblá!!!! Pelo menos o Vince passa o Domingo na igreja. O que, julgando pela mulher dele é um desperdicio... :$
Enquanto a conversa sobre as actividades dominicais continuava eu disse que tenho a absoluta certeza que vou para o Inferno. Ao que o Lance responde que tem um livro no quarto dele que me pode salvar. LOLOL Suponho que seja a Biblia... essa fantástica história de adormecer para adultos.
E quando disse que podia seguir o Islão, aliás, disse mesmo que podia era tornar-me Muçulmano... Bom, se tivessem cães para soltar... LOL
"Nunca digas essa palavra aqui na oficina!!!"... O que demonstra o quão informados eles estão sobre o mundo e as restantes pessoas. E com isto diverti-me a sério... mesmo a sério ao conhecer em primeira mão esta realidade tão abstracta para qualquer pessoa que está agora tão facilmente ao meu alcance! :)

Noutros campos, nomeadamente do entretenimento cinematográfico a bordo, ontem vi o último filme do Rambo. Compreendo perfeitamente que ele tenha ficado pela Tailândia. Eu cheguei a pensar o mesmo entre a Tailândia ou Filipinas...Mas de todos os oficios que me passaram pela cabeça, caçador de cobras não foi um deles. Quanto ao resto do filme... Bom... quando eu pensava que o Kill Bill tinha sido o filme mais violento que tinha visto... apareceu um pior. Aquilo é um desmembramento a cada 2 minutos, pessoas a explodir por dá cá aquela palha e aquelas espingardas de sniper... Oh Jasus... mais parecia um canhão. :\

Enfim... o sono que se seguiu foi muito mais divertido. E por falar em sono, hoje durmo mais uma horinha! :) eh eh eh

Beijo para as meninas loiras.

sábado, agosto 15, 2009

Americas Chronicles (ou o ataque pirata que não foi ataque nenhum...)

Olá rapazotas. :) LOL
Cá estou minutos após o que se pensou ser uma perseguição de caracói... perdão, maritima. E digo isto porque o capitão chegou a dar o alerta que um navio se aproximava de nós para toda a gente livre de funções ir para a amurada com ar mau e de preferência com algo que fizesse mossa.
A verdade é que... se este navio é lento, o outro lento era e a tentar perseguir-nos ao ritmo que ia, só em Madagáscar é que nos apanhava.

Mas foi giro por momentos, ver a malta toda armada... de barrotes, barras de ferro, martelos e câmaras fotográficas para dar as boas vindas aos supostos piratas. LOL Isto aconteceu ao largo do Vietnam, se fosse no estreito de Melaka acreditava-me mais... :S Foi uma cena digna dos Piratas das Caraíbas... eh eh.

Mas já passou. Segunda feira o navio chega a Singapura e parte para a última perna da viagem rumo a Durban curvando ali ao lado de Madagáscar. Data prevista, 5 de Setembro... mas a paragem em Singapura e a travessia do estreito é complicada.

Antes de me despedir, posso dizer que me tornei milionário noutro país...

Beijo para as fãs que estiverem nuas...

quarta-feira, agosto 12, 2009

Americas Chronicles (ou os malucos das máquinas navegadoras...)

Olá rapagonas. (esta não saiu muito bem...)

Estava há dias a olhar pela borda do navio e qual não é o meu espanto lembrei-me dos navegadores Portugueses. É que vejamos... eu estou num navio construído com o topo de gama em instrumentos de navegacão, construido em ferro e coberto por uma camada de tinta anti-ferrugem ou algo semelhante. Tripulado por gajos que já fizeram isto durante muitos anos e claro, o tamanho do navio é de cerca de 250 metros. As naus tugas tinham 30 a 50 metros, gajos que nunca tinham enfrentado o mar e nem quero imaginar como seriam as cozinhas... mas pelos relatos de escorbuto, consigo fazer uma leve ideia.

Ao pensar nisto, fiquei estupefacto com a loucura que os nossos queridos antepassados cometeram ao fazerem-se ao mar com um sextante, estrelas e uma nau de madeira. Convenhámos que ainda não passei um dia sem vento, mas já passei por uma semana sem ver uma única estrela. Ora o que é que eles fariam perdidos no meio do Oceano sem nada para onde se guiarem a não ser o pôr-do-Sol?
E as ondas e tempestades? É que eu passei na borda dum tufão... e passei na borda porque com a internet e comunicações por satélite, foi-nos possivel saber que existia um tufão na nossa rota, mas como estava a dizer... passei nas bordas dum tufão e digo-vos que um navio de 250 metros com umas centenas de toneladas abanou que só visto. Imaginem agora uma caravelazinha de 50 metros perdida no meio duma coisa daquelas... Sim, é certo que não sobreviveriam, mas a coragem ou loucura necessária para se fazerem ao mar para tais aventuras deixa-me pasmado! Simplesmente pasmado!
Como é óbvio... a possibilidade de desembarcar numa terra longínqua cheia de nativas... tipo Filipinas ou Brasil... enfim... deve ser como aquela motivação árabe das 70 virgens nas na Terra! :)

Imaginem-se agora a fazer a viagem que aparece na linha a vermelho... mas numa caravela. :\

Enfim... Gostarão vossas excelências de saber que mais uns dias de viagem e estou em Singapura... sensivelmente um ano depois de lá ter parado pela primeira vez e com uma vontade incrivel de lá parar de novo. :$ lol Agora porquê... não vos digo. :)

Beijocas para a fã que mais precisa duma beijoca neste momento.

segunda-feira, agosto 10, 2009

Americas Chronicles (ou a derradeira resposta para a eterna pergunta...)

Sim. Isto abana... principalmente quando estamos a atravessar as bordas dum tufão. Neste caso foi o Morakot que pelo que li destruiu umas coisitas em Taiwan. :( Tenho de admitir que não aguentei as ondas de 10 metros e vinguei-me na dramamina fornecida pelo médico de bordo. Mesmo assim, ainda virei o barco dentro do barco... estão a ver a ideia?
Sobra-me a pena de estar a passar ao lado das Filipinas e não parar lá... Há um ou dois sitios que me apetecia ver por lá... Manila, Angeles, Boracay... entre outras coisas interessantes que me contaram. :) eh eh

Entretanto, aqui pelo cruzeiro não me tenho divertido muito... tive mais um encontro de terceiro grau com as unidades métricas e imperiais quando um tipo me perguntou quanto era uma kilolibra em libras... :S Ainda fiz uma cara de gozão até que percebi que ele não estava a gozar comigo. :\ LOLOL Deviam era ver a cara dele quando eu disse 1000. Melhor só se me metesse com a cantoria do mili-micro-nano-pico... LOL
A comida... bom, o bife é bom, mas... mais parece meia vaca de cada vez que servem bife e ao Domingo à noite é sandocha para toda a gente. O que até me agrada. O que me desagrada é parar com as corridas enquanto esta ondulação continuar. :( Eu que já fazia 3,7 km a correr sem parar com velocidades entre 6 e 9 km/h. :\ Não gozem. Para mim é muito bom. :P

De resto... bom... a net é lenta... muito lenta... lentissima... e as ondas nãoooooooooooooo ajudam nada a comunicar. Vou pòr em prática o meu plano de ligar avulsamente para alguém do telefone de boooooooooooooordo (mais uma onda grande), por isso fãs, mantenham-se atentas ao vosso telefone. Pode ser que vos saia a sorte grande! ;) eh he

E pronto... já está. Não tenho mesmo mais para dizer. Excepto que tenho tentado procurar safaris e voos para... (para bem da saúde das minhas fãs não posso dizer) mas como referi a net não ajuda.

Beijo para as fãs mais maior tolas do Mundo...

quarta-feira, agosto 05, 2009

Americas Chronicles (ou o dia da partida...)

Olá mulherzinhas... (isto não soa tão bem quanto julgava...)

Cá estou offshore e lembrei-me hoje de algo que ainda deve fazer parte do album de memórias de muita gente que é aquela brilhante série "O barco do amor" ou em americano "The love barcation".
Infelizmente isto apenas me lembra essa série pelo facto de isto ser um barco... tal qual o outro. Já que a comida não é propriamente 5 estrelas (mas não me posso queixar), não existe bar para beber umas bejecas ou algo mais, temos uma piscina mas não a podemos usar (porque não foi feita para nadar) e o ponto mais importante de todos...

Não saímos dum porto cheio de malta a abanar os braços e a atirar flores e fitas para o barco. Sejamos realistas... custa! É quase como estar a ouvir a música de outra série muito conhecida que era o "Fama" e não ver ninguém a dançar convenientemente. Mas não me vou alongar sobre isso.

Devo dizer-vos que vou indo bem. Tenho ido ao ginásio onde ontem corri 3 km em 30 minutos. Também temos filmezitos para ir vendo e trouxe livros. :)
E como vai havendo internet, tenho activamente procurado que fazer em África. Já reduzi o meu leque de procura. Depois de pensar um cadito, cheguei à conclusão que ir a África para ver cidades seria um pouco... falta-me a palavra... enfim não faz muito sentido. Daí que a minha procura se tenha estendido a outras actividades menos citadinas.
Não me vou descoser com pormenores acerca dos planos porque... são só planos e terão muito mais impacto se vocês souberem que lá estive e não que planeio lá ir. ;)

Prometo uma ou duas fotos no fim da viagem. ;)

Beijo para a B. e M.

P.S.: Pelo Natal digo-vos quem é a M.

domingo, agosto 02, 2009

Americas Chronicles (ou o inicio dum cruzeiro longo... muito longo...)

Olá moçoilas veraneantes.

Cá estou eu para vos deixar noticias do vosso adorado e famigerado idolo. Como sabem vim para a Coreia para embarcar no barquito onde irei trabalhar por uns tempos. :\
Estamos ainda ao largo de Okpo, com a saída planeada para quarta-feira de manhã (ou seja, terça-feira à noite) e vamos seguir daqui directos para Singapura onde ficaremos por algumas horas (o suficiente para tirar uns cromos daqui) e depois passando pelo estreito de Malaca (onde estive há uns meses atrás) contornámos a Indonésia e descemos directos a Durban. A viagem está estimada em 36 dias.

Entretanto, vou tendo com que me entreter... descobri um problemazito há dias numa maquineta e tenho lido e tirado fotos e ido ao ginásio e ver filmes... A propósito, o Transformers II é uma valente m****, salvam-se as meninas já que o conhecimento geográfico de quem idealizou aquilo é completamente absurdo. Quer-se dizer... colocar as pirâmides de Gizé que ficam num deserto que por definição é plano ao lado dum palácio Nabateu de seu nome Al-Deir (a que muito me custou chegar) que fica no topo dum monte é, no minimo irresponsável. Mas pronto... eu também só estive a ver aquilo por causa das gajas. :P LOL

Outra coisa que devo relatar-vos é que a comida aqui é qualquer coisa de... não diria horrivel porque é comestivel. Mas, o conceito de comida saudável certamente não foi inventado por americanos. Dou-vos o exemplo duma espécie de tarte de carne que disponibilizaram que gemia óleo. :\ Não comi essa. Algo que não pude deixar de experimentar foram os bróculos com queijo... e não falemos do bife que, apesar de ser um dos melhores que comi ultimamente, era mais ou menos do tamanho de meio bezerro. :\ Sim... enorme mesmo.
Felizmente vai havendo fruta fresca e mal o navio parta a caminho do México e a maioria da malta que não vai trabalhar no navio sair, vão sacar da lagosta para festejar. :)

De resto, fica uma nota das minhas saudades da Coreia onde tive ainda tempo de me despedir de várias pessoas especiais (tipo o meu consultor de moda) e do cházinho verde. Estou a guardar os noodles para o dia da partida.

Beijo para as fãs e mandem mails... é escusado telefonar a não ser que tenham montado antenas no meio do Indico. ;)