terça-feira, julho 08, 2008

Estava há dias a dar gozo a alguém que dizia STOP e lembrei-me do mitico cinema STOP ali na rua que vai dar a casa do meu primo onde tem o museu militar, cemitério, a primeira Chip7 do planeta e como é óbvio o centro comercial STOP.

Agora que me lembro daquelas tardes bem passadas na IURD a ouvir o pastor brasuca (se bem que os pastores são quem paga as contas)… Graças a Deus, né????
Ai ai… bem melhor que uma dose de Monty Python!! :D
E foi então que me recordei doutro personagem de Portugal. Este tem lugar de honra visto não se enquadrar no tipico fenótipo do personagem do Mundo mas sim ser alguém por quem tenho muita admiração. (Não é qualquer um que engole uma garrafa de cerveja sem respirar… principalmente depois de ter bebido outras 10…).

É claro que estou a falar do amigo do meu pai, o Chico. É um gajo porreiro, muito bacano… que tem medo de andar comigo de carro (I wonder why??) e no meio disto tudo, ele tem muito para ensinar acerca da IURD.

E tem muito para ensinar, não porque o tenham curado (se soubessem o poder curativo da cerveja…) ou porque lhe tenham mostrado a chave vencedora do totoloto ou porque lhe tenham dado um pirilau de metro e meio mas pelo negócio que o Chico encetou com eles.

A saber, o Chico é um gajo divertido… e como tal, pregar partidas é-lhe natural… Daí que quando o pastor-mor (aquele que ganha dinheiro na IURD) lhe ofereceu umas massas para ele encenar umas situações dentro das sessões da IURD, ele não podia recusar.

E ainda hoje me rio ao imaginar daquela vez em que ele entrou lá tipo múmia de muletas e após uma teátrica ida ao palco atirou as muletas para o chão, arrancou as ligaduras e disse: “Obrigado senhor! Estou curado!”. Acho que recebeu uns 5 contitos dessa vez. :

E aquela em que o mandaram para lá de cadeira de rodas? Essa sim foi a melhor interpretação do Chico. Estava na entrada a pedir ajudar para subir os degraus (o centro comercial é dos gloriosos anos 80… vulgarmente conhecidos pelos anos “Andas de cadeira de rodas? Azar o teu!” ) e quando o meteram dentro da sala ele chorava e lamuriava até que a dado momento…
Alguém ligou o disjuntor das pernas e ele deu um salto para fora da cadeira de rodas acompanhado por um: “Consigo andar!!! Obrigado Senhor!”. Acho que foi a IURD a fornecer a cadeira de rodas.

Existem outras actuações não tão memoráveis como esta, tipo aquela vez em que o Chico teve de deixar os dotes mímicos e usar os seus conhecimentos de teatro e expressão linguística para contar os seus problemas e o quanto sofria… Aquilo era de tudo… corno, desempregado, levava porrada dos vizinhos, andava de diarreia, não endireitava o marsapo, perdia o autocarro para o emprego todos os dias, tinha uma hérnia, etc, etc… E subitamente, zás!!! Um toque do pastor e já o Chico dançava feliz por ter sido tocado pelo Senhor… que lhe pagou prai uns 5 contitos para fazer aquilo.

Agora que termino esta posta, gostaria de dizer que eu não tenho nada em especial contra a IURD ou outra religião. E vou citar e traduzir W.C. Fields dizendo: “Sou livre de preconceitos. Odeio todos da mesma maneira!”

Fiquem bem! ;)

P.S.: Se ainda estão abananados por eu ter dito que ia às sessões da IURD… acordem! Estava a introduzir o assunto no texto.

3 comentários:

Luísa disse...

Só tenho uma pergunta a fazer. O que é a IURD?

:p

Francisco Norega disse...

Idem idem, aspas aspas.

Quando tou deprimido é impressionante... venho cá e pumba, dou umas valentas gargalhadas :D

TO_ disse...

5 contitos? nada mau hein!